A Eugenia legalizada: Charlie Gard

foto pais charles

Ganhou os jornais a notícia estarrecedora de que o Tribunal Europeu dos Direitos Humanos sentenciou à morte o bebê inglês de apenas dez meses, Charlie Gard (http://www.bailii.org/ew/cases/EWHC/Fam/2017/972.html). O pequeno Charlie é portador de uma rara doença genética chamada “síndrome de depleção do DNA mitocondrial” (SDM),  que leva ao mal funcionamento dos órgãos, lesões cerebrais e outros sintomas.

O hospital infantil em que Charlie estava internado em Londres,  Great Ormond Street, declarou que nada mais poderia ser feito por ele, determinando, assim, que os aparelhos que o mantêm vivo sejam desligados a fim de lhe garantir uma morte digna.

Os responsáveis pelo menor, seus pais Chris Gard e Connie Yates, não concordaram  e pretendem retirar o filho do hospital para levá-lo aos Estados Unidos a fim de submetê-lo a uma terapia experimental a ser ministrada por um médico norte-americano, que já concordou em fazê-lo, tendo os pais logrado êxito em arrecadar mais de 1,6 milhão de libras esterlinas para fazer frente ao tratamento a fim de salvaguardar a vida do filho, carne da sua carne.

Como esperar que os pais assistam contemplativamente à morte do próprio filho, um bebê de apenas dez meses, quando há esperança de que a mencionada terapia, para a qual eles já dispõem de recursos, possa salvar-lhe a vida?  Ora, se o direito à conservação da vida constitui direito humano (aquele que todo homem tem em virtude de sua natureza), como o Tribunal Europeu criado para a sua defesa irá ceifar o direito humano absoluto, inegável, irrenunciável, imperativo e evidente do pequeno Charles à tutela desse seu direito?

O triunfo do liberalismo, tão condenado pela Igreja Católica, a coroar o individualismo e o racionalismo levou à positivação de normas jurídicas apartadas da lei natural, culminando no Estado¹ Totalitário.

O aniquilamento da autoridade paterna sobre seus filhos, transferindo a sua tutela para o Estado laico, transformado em “deus”, portanto único legitimado a ditar as regras da sua formação intelectual e moral, e agora até mesmo a decidir se eles vivem ou morrem, insere-se no projeto de destruição da sociedade, eliminando-se os corpos intermediários. Aos genitores, resta o papel secundário de meros expectadores. Serão, todavia, duramente punidos se levarem os filhos para assistir a uma Tourada, se lhes ensinarem o valor das pequenas mortificações, se ousarem puni-los com algumas “palmadas” …

Aos pais garante-se o direito de matar os filhos ainda não nascidos, mas a esses mesmos pais proibe-se o direito de lutar pela vida desses mesmos filhos.

A sutileza satânica reside no fato de que se deve assegurar o direito de Charlie a uma morte digna porque Charlie não é viável, deveria, certamente, na visão do Estado Todo Poderoso, nunca ter nascido. Seus pais são irresponsáveis. Deveriam ter poupado a todos simplesmente abortando Charlie ainda no ventre materno, mas como ousaram garantir o seu direito humano à vida, cabe ao Estado assegurar-se de que um bebê com grandes chances de não sobreviver, seja MORTO. Nisso reside o direito de Charlie.

Tratamentos experimentais devem ser garantidos apenas aos “viáveis”.

O leitor deve ser muito mais solidário com os ovos das tartarugas, objetos de tutela pelo Projeto TAMAR, do que com a vida de Charlie, em relação a qual o projeto estatal visa MATAR.

Que o Deus verdadeiro possa confortar o coração desses pobres pais ao testemunharem o assassinato estatal de seu pequeno filho e que a anunciada morte de Charlie nos leve a refletir sobre as consequências nefastas de um Estado Totalitário como propulsor do aniquilamento da família. A verdadeira Idade das Trevas já se iniciou.

São Pedro e São Paulo, orate pro nobis!

 

1. O termo “Estado” é tomado neste texto em um sentido amplo referente a todo e qualquer poder central com tendência supressórias de corpos intermediários. Não se desconhece, pois, que o Tribunal Europeu de Direitos Humanos não é, propriamente, órgão de um Estado nacional, mas de uma instituição supraestatal.

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s